Vigilantes do DF obtêm conquista histórica que deve refletir nos outros Estados

Apesar dos dois votos contrários, a maioria dos desembargadores votou a favor dos vigilantes

Aconteceu na tarde desta terça-feira, 2/10, o julgamento do Dissídio Coletivo dos vigilantes do Distrito Federal. E apesar dos dois votos contrários, a maioria dos desembargadores votou com o relator, o Juiz Antônio Humberto, possibilitando vitória para a categoria.

As principais cláusulas votadas e aprovadas em favor dos vigilantes foram salário e ticket alimentação. Para o salário o reajuste foi de 2,07% com retroativo a 1º de janeiro/2018. No caso do ticket, o reajuste foi de 2,07%, retroativo também a 1º de Janeiro/2018.

Além disso, benefícios foram mantidos, entre eles plano de saúde, fundo social e odontológico, jornada 12 x 36, homologação no Sindicato a partir de seis meses de contrato, adicional noturno, entre outros.

GRANDE CONQUISTA

Desde outubro do ano passado o Sindicato dos Vigilantes do Distrito Federal (Sindesv) tentava aprovar a norma coletiva de 2018. Ao menos quinze reuniões no Ministério Público do Trabalho (MPT) e duas audiências coordenadas pelo TRT chegaram a ser feitas, mas terminaram sem acordo entre a categoria e os patrões.

Segundo a diretoria da entidade, diante da situação pela qual passa o país, esta foi uma grande vitória. “Derrotamos a reforma trabalhista em nossa categoria, pois caso ela fosse aplicada em nossa Convenção Coletiva de Trabalho, muitos vigilantes perderiam o emprego, além de redução de salários e alguns benefícios como o Adicional Noturno”, dizem os diretores.

A audiência contou com participação maciça dos vigilantes – Foto: Sindesv -DF

REFERÊNCIA PARA OUTROS ESTADOS

Para o diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Vigilância (CNTV), Amaro Pereira, a decisão de hoje é importantíssima porque deve servir de referência para as Campanhas Salarias 2018 de vigilantes em todo o país, principalmente nos Estados onde a data base é 1º de janeiro.

“É o primeiro julgamento de dissídio coletivo de vigilantes após a Reforma Trabalhista”, diz. “Estão de parabéns não só o sindicato, mas também os trabalhadores. Isso prova a necessidade de termos diretorias comprometidas e trabalhadores apoiando, defendendo e participando”, destacou.

“Vigilante horista, ou tempo parcial, por exemplo, aqui já foi aceito e lá em Brasília não existe porque lá há resistência”, finaliza.

ENQUETE

Quem não contribui com o sindicato deve se beneficiar das conquistas da Convenção Coletiva?


Obrigado! Sua resposta foi cadastrada com sucesso!