Política econômica de Bolsonaro deve aumentar desalento e informalidade, diz Dieese

Até agora, nenhuma política de geração de emprego e renda foi anunciada pelo novo governo – Arte: Alex Capuano/CUT

Do Portal CUT

O número de trabalhadores e trabalhadoras desalentados – aqueles que, depois de muito tentar sem encontrar uma vaga, desistiram de procurar –, de desempregados e informais, que vem batendo recordes desde o ano passado, deve aumentar este ano.

A razão é a política econômica neoliberal do governo de extrema direita de Jair Bolsonaro (PSL-RJ), que não aumentou o salário mínimo nem dá sinais de que vai utilizar os bancos e as empresas públicas ou ampliar investimentos públicos em infraestrutura para alavancar o crescimento econômico.

Até agora, nenhuma política de geração de emprego e renda foi anunciada por Bolsonaro e sua equipe econômica.

Eles só falam em atacar a Previdência e privatizar empresas públicas

“Políticas que melhorem o mercado de trabalho e os salários, como a de valorização do salário mínimo, são importantes para a retomada do crescimento porque ativam o mercado consumidor: a renda extra é usada para pagar dívidas, consumir mais comida e roupas e vai girar a economia”, defende Adriana Marcolino, técnica da subseção do Dieese, criticando a decisão do governo Bolsonaro de não prorrogar a política de valorização do mínimo, criada no governo Lula.

“Só este governo vê o reajuste do mínimo, que subiu mais de 70% desde a implementação da política, como gasto, mas o dinheiro vai direto pro consumo e parte retorna como arrecadação”.

O economista do Dieese Nacional, César Andaku, complementa: o governo perdeu uma grande oportunidade de melhorar a economia quando diminuiu o reajuste do salário mínimo – um dos primeiros atos de Bolsonaro como presidente foi baixar de R$ 1.006,00, como era previsto, para R$ 998,00 – menos R$ 8,00 no salário do trabalhador.

Só este governo vê o reajuste do mínimo como gasto

“O reajuste menor também afetou aposentados e pensionistas do INSS que muitas vezes são quem sustentam suas famílias”, lembra Andaku.

Sem política de valorização do salário mínimo e de investimentos públicos, como foi feito no governo Lula, a economia terá um crescimento muito pequeno, afetando principalmente os mais pobres, afirmam os especialistas.

Leia mais clicando AQUI

ENQUETE


Obrigado! Sua resposta foi cadastrada com sucesso!