Polícia Federal aperta o cerco contra empresas de segurança e vigilantes ilegais


Ao menos 400 empresas de segurança e estabelecimentos foram alvo da ação – Foto: Divulgação

A Polícia Federal (PF) deflagrou na sexta-feira, 29/3, em todo o país, a Operação Segurança Legal III, que visa coibir exercício ilegal da atividade de segurança privada, seja por empresas irregulares, seja por pessoas não capacitadas.

A operação ocorreu simultaneamente em São Paulo e em mais 26 estados da federação, além do Distrito Federal. Ao menos 400 empresas de segurança e estabelecimentos foram alvo da ação.

Segundo a PF, os prestadores de serviços de segurança privada fiscalizados deverão comprovar sua regularidade, bem como o emprego exclusivo de vigilantes devidamente treinados e capacitados para a atividade.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Vigilantes de Barueri, Amaro Pereira, a ação da PF é importante porque muitas empresas, buscando apenas o lucro, contratam pessoas sem a qualificação adequada para a função, o que pode resultar em tragédias.

“Tivemos um caso recente de grande repercussão em que um porteiro que trabalhava como vigilante no Carrefour matou um cachorrinho a pauladas”, lembrou. Ele defende que o setor da segurança privada é um segmento onde há muitas irregularidades e que só a fiscalização firme das autoridades poderá evitar novas tragédias.

“É importante que os contratantes exijam a documentação das empresas e denunciem aquelas que estiverem irregulares”, continua. “O contratante que aceita uma empresa irregular está assinado um atestado de responsabilidade no caso de qualquer incidente”, finaliza.

ENQUETE


Obrigado! Sua resposta foi cadastrada com sucesso!